25/06/2020 11:00 - EM
Futebol | Futebol Feminino
Há 25 anos, com o “gol de barriga, o Flu era Campeão Carioca
Vitória por 3 a 2 em jogo cheio de emoções e com Maracanã lotado


Há 25 anos, em uma partida épica, o Fluminense era campeão Carioca em um jogo com a cara dos Guerreiros Tricolores. Emocionante e com cinco gols - o último deles depois que Renato Gaúcho desviou com a barriga um chute do meio campo Ailton. Hoje é dia de comemorar e enaltecer a data de uma histórica vitória do Fluminense por 3 a 2 sobre o Flamengo, em um Maracanã lotado.

Seja Sócio e tenha vantagens na compra de ingressos, além de descontos em vários parceiros. Faça o Fluminense mais forte e escolha um plano agora!

Favorito ao título, o time da Gávea comemorava o ano do seu centenário, com a contratação de Romário, recém-chegado do Barcelona como maior jogador do mundo na época. O Botafogo havia renovado com Túlio Maravilha, artilheiro do Brasileiro de 1994. O Vasco era o atual Tricampeão e buscava um inédito Tetracampeonato. O Flu, liderado por Renato Gaúcho, não era visto pela crônica esportiva como um time que pudesse ser campeão.

- O grupo estava sofrendo muito, todos sabiam da situação do clube. A mídia não confiava e ninguém acreditava no nosso plantel. Era improvável que o Fluminense pudesse chegar à final. Oscilamos muito dentro da competição, eu acho que por conta disso, demos margem para que a desconfiança surgisse. Mas é muito bom superar tudo isso com um grupo maravilhoso, que deixou de lado a parte financeira e focou somente em conquistar o título. Um time de Guerreiros, simples e de pessoas renegadas. Tenho certeza que nós escrevemos o nosso nome na história do clube - relembra o meia Aílton, autor do chute que encontrou, na barriga de Renato Gaúcho, o caminho das redes.

O Flamengo começou o octogonal com três pontos ganhos: dois por ter vencido o primeiro e o segundo turno da fase classificatória pelo Grupo B e um pela conquista da Taça Guanabara. O Vasco iniciou o octogonal com um ponto extra, por ter vencido o primeiro turno da fase classificatória do Grupo A. Já o Botafogo, chegava também com um ponto, por ter vencido o segundo turno da fase classificatória pelo Grupo A.

O Fluminense se recuperou e na fase final conseguiu o direito de disputar o título. E esse foi o grande problema para o Flamengo, campeão da Taça Guanabara, porque o Fluminense foi o seu carrasco durante todo campeonato. Em três jogos, duas vitórias para o Fluminense e um empate. Seria, na rodada final, mais um confronto entre as equipes, dessa vez para decidir o título.

O jogo decisivo poderia ser um filme, com grandes reviravoltas. O Maracanã estava lotado e o Fluminense abriu 2 a 0, fazendo, assim, um primeiro tempo praticamente sem erros. Veio o segundo tempo, e o Flamengo fez 2 a 1. Sorlei, pelo Flu, e Marquinhos, do rubro-negro, foram expulsos na briga pela bola no fundo da rede. Dez contra dez e o Flamengo conseguiu o empate, resultado que lhe dava o título. O Flu ainda teve Lira expulso, após disputa de bola com Fabinho.

Mas o futebol é imprevisível, mágico e o Fluminense é conhecido por ser guerreiro e lutar até o apito final. Aos 41 minutos da segunda etapa, quis o destino que a bola, em chute forte de Ailton, encontrasse a barriga de Renato Gaúcho pelo caminho e fosse às redes. Na súmula, o gol foi anotado para o meio campista.

Depois do gol de barriga, Lima interrompeu um ataque em velocidade do Flamengo, derrubando Sávio, e também foi expulso. O Fluminense terminou a partida com apenas oito jogadores em campo, dois a menos que o Rubro-Negro, mas levantando a taça de campeão Carioca de 1995.

- O gol surgiu de uma forma que eu tinha falado com o Ronald, eu disse para ele que só tinha um jeito de vencermos esse jogo. Eu iria ficar aberto na direita e quando ele pegasse na bola tocaria em mim. Eu saí driblando e quando vi era o Charles na minha frente, eu iria chutar, mas ele me fechou, cortei para um lado e para o outro e finalizei, ela resvala no Renato e sai o gol, o gol do título – explica Aílton.

Ronald se lembra perfeitamente do pedido de seu antigo companheiro de equipe. “Normalmente o lateral toca e faz a ultrapassagem, fiz o que ele me pediu e deu na maravilhosa jogada em cima do Charles Guerreiro. A sensação foi mágica, jogar no Maracanã e ser campeão. As dificuldades existiam, mas vim de um clube considerado pequeno e acostumado com elas. O que a imprensa falava na época serviu como motivação para todos do grupo. Conseguimos formar uma família unida, superando todos que eram contra”, conclui Ronald, o lateral direito do Fluminense campeão em 1995.

TEXTO: COMUNICAÇÃO FFC E FLU MEMÓRIA

FOTOS: FLU-MEMÓRIA



Umbro original
Sika original
Tim original
Docerio original
Gatorade original
Brahma original
Bioleve original
Puri original
Ambipar original
Bassan original
Flaviohermolin original
Rentv original
Nhj original
Nb original
Radlink original
Thermohuman original
Bodymetrix original
Vaccini original
Top on original
Parceiro cbc original
Singular original
Opusseg original
Mazars original