Coleta de água de chuvas em Xerem

A constante procura em redução de custos e melhoria na sustentabilidade ambiental, fizeram a administração do Centro de Treinamento Vale das Laranjeiras – CTVL e a diretoria de desenvolvimento sustentável do Fluminense buscarem uma solução conjunta para a captação de água de chuvas.

O prédio onde se instala a administração e o alojamento do CTVL possui uma boa área de telhado e dessa forma uma oportunidade de captação de água de chuvas. Com essa proposta a diretoria de desenvolvimento sustentável solicitou ao Instituto Nacional de Meteorologia – INMET as informações do índice pluviométrico da região de Xerem em duque de Caxias – RJ. Recebemos assim a informação da média pluviométrica de Xerem dos últimos 30 anos, que nos permitiu fazer as projeções de acúmulo de água por mês.

Considerando que a superfície dos telhados do edifício do CTVL tem aproximadamente 1.500m2 e que o volume de captação máximo será a altura do índice pluviométrico multiplicado pela área de telhado – captação, teremos o volume mensal médio de 299.500 litros que poderemos captar em chuvas.

Desde setembro de 2015 instalamos um hidrômetro na entrada de água para a lavanderia do CTVL para medirmos volume captado para esse uso e podermos ter uma base para este projeto. Medimos 11 meses e chegamos a 996.000 litros de água consumida no sistema de lavanderia, o que nos apresenta uma média de 90.545 litros mensais, o que representa cerca 22.600 litros semanais. Com esses dados fizemos todo o sistema de captação e armazenamento, formando um conjunto de caixas de água para retermos 50.000 litros.

Conforme a pluviometria e o sistema de operações poderemos fazer uso de 100% dessa reserva de água de chuvas para a lavanderia gerando uma economia anual de cerca de R$ 23.500,00. Como o total de custos para esse sistema somou R$56.400,00, podemos dizer que em 2 anos e 5 meses essa operação estará paga se só utilizarmos essa reserva de água para a lavanderia.

Como base no cálculo estimado de pluviometria e área de telhado, para termos um uso maior dessas águas de chuva, poderemos aumentar a quantidade de reservatórios ou operar o sistema em meses de alta pluviometria de forma a utilizar o excedente para as lavanderias, no sistema de irrigação dos campos do CTVL, o que nos trará maior economia de recursos. Nos dois primeiros dias de operação desse sistema, captamos nas breves chuvas das noites dos dias 18 e 19 de setembro, 45.000 litros.

Estamos também fazendo a perfuração de um poço artesiano profundo, com autorização do INEA, para termos mais uma “nascente” no sistema de operação trazendo maior conforto e mais baixo custo de uso.