Filhos de ex-jogadores do Flu seguem passos dos pais na ‘Guerreirinhos’

Quase toda criança sonha, um dia, seguir a mesma profissão de seus pais. Se o trabalho dos pais é o futebol, então, isso fica ainda mais fácil. Quatro filhos de ex-jogadores do Fluminense estão seguindo os passos de seus pais, e ídolos, na unidade do Recreio da Guerreirinhos, a escolinha oficial do clube. A escalação tem Felipe, Pedro Henrique, Bernardo e Igor, filhos de Marcão, Magno Alves, Wagner e Jefferson, respectivamente.

Igor, de 11 anos, conta que sempre sonhou em seguir os passos do pai, que foi goleiro nos anos 90, fechar o gol e conquistar títulos.

– Vejo o vídeo do meu pai na final da Copa do Brasil e tenho ainda mais vontade de realizar o meu sonho, que é ser goleiro profissional como ele foi. Sou muito dedicado e, além de treinar na Guerreirinhos, meu pai e meu irmão ajudam em casa. Estou lá há um mês, mas já acho muito legal. Não vou desistir do meu sonho nunca – afirmou Igor, que mostra muita força de vontade, pois mora no Maracanã e treina três vezes por semana no Recreio.

O filho mais novo do ex-volante Marcão, Felipe, nasceu há oito anos, quando o pai, símbolo de jogador aguerrido e de marcação implacável, era um dos grandes ídolos da torcida tricolor. A inspiração paterna parece ser forte, pois segundo Marcão, “Felipe adora roubar uma bolinha”.

– Quis colocar o Felipe numa escolinha há algum tempo, mas no primeiro momento ele não quis. Aí, há uns três meses, ele quis fazer um treino. Achei o maior barato e, como partiu da própria vontade dele, foi uma enorme felicidade, pois seria gostoso demais estar torcendo por ele no Maracanã, Engenhão e pela televisão. Não sei se será um jogador futuramente, mas sei que o esporte traz muitas coisas positivas e que, se não formar um atleta, formará um homem. Sei que ele está nas mãos de pessoas confiáveis e altamente qualificadas – disse Marcão.

Filho do Magnata

Contratado pelo Fluminense em 1998, Magno Alves vestiu a camisa tricolor e se destacou no cenário nacional. O atacante, que era, até este ano, o maior goleador do time em campeonatos brasileiros, só sendo superado por Fred, é pai de Pedro Henrique. Para o Magnata, seu filho poderá se tornar um jogador profissional se mantiver a dedicação e vontade de seguir nesse caminho.

– Meu filho está apenas começando, mas está num bom caminho. Gostaria muito que ele se tornasse jogador, mas isso precisa ser uma escolha dele. Optamos pela escolinha do Recreio porque tínhamos boas recomendações, é vinculada ao Fluminense e próximo de casa. Ele fez muitas amizades lá e vejo que é muito dedicado no que faz. Se é isso mesmo que o Pedro quer para seu futuro, tenho certeza que terá sucesso – afirmou Magno Alves.

Aprendendo com quem sabe

Responsável pela franquia da Guerreirinhos do Recreio e ex-atacante do Fluminense entre os anos de 1991 e 1993, Wagner Aquino sabe muito bem como lidar com seu filho de 11 anos, Bernardo. Com a experiência dos campos e também da área de aprendizagem infantil, Wagner consegue manter o equilíbrio e evitar a pressão sobre os alunos.

– Quem já passou pelo futebol profissional sabe o quanto essa profissão pode ser dura e instável. Então, os pais “jogadores” normalmente são mais tranquilos. Mas, com certeza todos têm vontade de ver seus filhos brilhando nos campos. Por já ter uma referência dentro de casa, a criança já descobre o prazer do futebol e a vontade de seguir o pai. Na nossa escolinha, estimulamos a prática esportiva e alertamos todos os pais para evitar essa pressão e deixar as coisas acontecerem naturalmente – contou Wagner.

No caso de Jefferson, ex-goleiro tricolor e vice-campeão da Copa do Brasil de 1992, a história só muda no posicionamento. Além de Igor, seu outro filho, Matheus, de 17 anos, também costuma jogar no gol.

– Eu e Wagner jogamos na mesma época e, com a modernização, retomamos o contato. Ele me convidou para levar o Igor para a escolinha e deu certo. Meu filho se adaptou muito bem e está muito feliz. Sei que sou uma inspiração para ele e tento passar um pouco do meu conhecimento, ajudar da melhor forma possível, mas dentro de campo deixo ele resolver – disse Jefferson.

Para conhecer todas as unidades das escolinhas Guerreirinhos, inscrever seus filhos ou se tornar um franqueado, acesse http://www.fluminense.com.br/site/futebol/marketing/guerreirinhos/.

Texto: Livia Andrade (Assessoria de Imprensa – FFC)

Fotos: Bruno Haddad (Assessoria de Imprensa – FFC)