13/09/2017 10:32 - EM
Futebol | Clube
Meia Marquinho recorda 'atmosfera sensacional' no último jogo com LDU
Equipes se enfrentaram na final da Sul-Americana de 2009, para mais de 80 mil pessoas no Maracanã




O dia dois de dezembro de 2009 não sai da cabeça do meia Marquinho. Desde a batucada dentro do ônibus, na saída da concentração, até os aplausos após o apito final - mesmo sem o título -  o jogador se recorda de todos os detalhes daquela final de Copa Sul-Americana, contra a LDU. A noite no Maracanã é inesquecível pelo placar de 3 a 0, por causa do jogo muito pegado dentro de campo, mas principalmente pela espetacular festa promovida pela torcida tricolor. O  placar de 5 a 1 para a LDU no primeiro jogo da final poderia ser a justificativa para um público reduzido no Maracanã, mas não foi o que se viu. Mais de 80 mil tricolores empurraram o time rumo a uma virada histórica, que não aconteceu por detalhes.

"Foi um jogo muito pesado, lembro que teve briga com juiz, teve briga entre os jogadores e muita discussão. A gente conseguiu o 2 a 0 no primeiro tempo e a torcida estava toda em cima, empurrando a gente. Uma sensação incrível, indescritível. Tanto que no intervalo não fomos para o vestiário, ficamos em campo, depois sentamos no banco de reservas, para permanecer naquele clima. Tentamos de tudo na segunda etapa. O Fred foi expulso e não dá para dizer se com ele em campo conseguiríamos mais gols. A arbitragem também prejudicou demais", lembra Marquinho.

Apito final. O título não veio, mas a história foi escrita. A torcida cantava a plenos pulmões. Era o ato final de uma festa que começara horas antes do jogo, do lado de fora do Maracanã, onde milhares de tricolores recepcionaram o ônibus dos jogadores. Dentro do estádio, luzes, fogos, bandeiras, balões, mosaico... todas as formas de manifestar o amor ao clube.


"Logo na saída do hotel, a gente estava entrando no ônibus e o Cuca chamou o Diguinho e eu. Nós, juntos com o Ruy, que tinha um banjo, e o Tartá, que fazia o batuque, comandávamos a “bagunça” no fundo do ônibus. E o Cuca pediu para a gente fazer muito barulho, brincar bastante, porque ele estava sentindo o grupo muito tenso e queria que o pessoal relaxasse. E assim foi, todo mundo empolgado, gritando e a gente nem percebeu o trajeto. Quando fomos chegando no Maracanã percebemos aquela multidão nos cercando, fazendo o corredor para o ônibus. Aquilo foi muito marcante. Eu me lembro de ver alguns jogadores chorando de tão emocionante que foi. No caminho para o vestiário colocaram cartazes com mensagens das nossas famílias... foi tudo muito empolgante. Foi um pecado a gente não levar aquele título, mas a experiência de ter estado em campo naquele dia foi única. O final do jogo com a torcida de pé, cantando e aplaudindo foi sensacional. Para o clube, o jogo na sequência, contra o Coritiba, foi mais importante, mas essa partida contra a LDU nunca vai sair da minha cabeça", recorda o meia, que marcou gols na ida contra LDU e diante do Coritiba, dias depois da final.

Marquinho se recupera de cirurgia no joelho direito e ainda não tem previsão para retornar aos gramados. O Fluminense volta a enfrentar a LDU nesta quinta-feira, no Maracanã, e a expectativa é de mais um show da torcida tricolor. Não fique de fora desse clássico Sul-Americano. Os ingressos ainda estão à venda com preços promocionais. Saiba como adquirir o seu aqui.

Texto: Comunicação/ FFC
Fotos: Reprodução YouTube/ Arquivo FFC





Under armour
Frescatto
Tim
Thinkseg
Laboratorios lafe
Brahma3
Gatorade
Parceiro movimento futebol melhor
Parceiro bioleve
Coppertone
99
Vw
Parceiro sos mata atlantica
Parceiro cbc